Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2007

Desfrutar das sensações que o Outono oferece

Com a devida vénia ao Jornal da Madeira

 

Esta semana a “Olhar” esteve de olhos postos no Santo da Serra para mais uma caminhada a pé. O frio que se fazia sentir não desmotivou nem impediu que trilhassemos a Levada da Serra do Faial que vai dar à Portela. Parte deste troço, está em recuperação. Junto à entrada da levada, na subida junto às Quatro Estradas, pela estrada que vai dar ao Poiso encontra-se, à direita, uma placa que dá conta disso — “IGA — Investimentos e Gestão da Água — Recuperação Parcial da Levada da Serra do Faial”, pela UE através do POPRAM III/FEDER. No final ficou uma certeza, valeu a pena pisar o lameiro, sentir o frio e as folhas húmidas sob os nossos pés. É este desfrutar da natureza que nos faz sentir vivos, experimente…

 

 

Para chegarmos ao destino que traçamos para mais este “De mochila às costas”, optámos por subir a via-expresso que vai dar à Camacha e daí fomos pela estrada regional até às “Quatro Estradas”, que fica pouco antes do centro da freguesia do Santo da Serra, no concelho de Santa Cruz. O objectivo foi trilharmos parte da Levada da Serra do Faial.

 

Nas Quatro Estradas subimos cerca de 400 metros, pela estrada que vai dar ao Poiso. À direita encontrámos o trilho da levada. A placa amarela onde se podia ler “Portela” mostrava que estávamos no caminho certo. Se fôssemos para a esquerda, do outro lado da estrada, com certeza, passadas umas horas chegaríamos à Camacha. Ficará para outra ocasião. Nesta zona não conseguimos ficar indiferentes a um cheiro pouco agradável devido à existência de um espaço de venda de porcos vivos, conforme se podia ler numa placa disposta nas imediações das respectivas instalações. Mas depressa passa, basta apressarmos o passo e galgarmos uns metros da levada que entramos no fresco da natureza do Santo da Serra. A primeira parte do troço deixa um pouco a desejar devido à falta de limpeza que, ao que pudemos constatar deve estar para breve. No local um quadro informativo dá conta disso — “IGA — Investimentos e Gestão da Água — Recuperação Parcial da Levada da Serra do Faial”, pela UE através do POPRAM III/FEDER. Contudo, somos compensados mais adiante.

 

Este trilho é todo ele em terra batida e o facto de ter muitas curvas torna o percurso demorado. Há muita giesta, carqueja, eucaliptos, fetos alguns dos quaiss se encontravam secos devido aos dias de calor que se registaram nas últimas semanas.Aqui e ali, alguns troncos estavam caídos na terra molhada, que com certeza esteve sedenta de água devido ao Verão fora de época que tivemos recentemente. De maneira que o céu nublado e o vento frio que soprava até sabiam muito bem. Lá continuámos, apesar das ameaças de chuva. Fomos, também, encontrando pinheiros e castanheiros, os quais desenhavam na paisagem verdadeiros quadros vivos. Alguns parecia que balouçavam ao vento, dada a forma dos seus ramos. Mais pareciam uns braços esticados, prestes a agarrar alguma coisa ou longos cabelos que, de soltos que estavam, esvoaçavam para sul.

 

Frio da serra acompanhou-nos na caminhada

 

À medida que a caminhada se fazia, o nariz começava a gelar mas até sabia bem, sentir aquele fresco. A chuva que havia caído uns dias antes fez com que, aqui e ali, houvesse algumas poças de lameiro mas nada que não se ultrapassasse. As folhas de castanheiro haviam tecido um tapete bem fofo, que amortecia a caminhada.

 

Na primeira parte deste trilho a levada encontrava-se seca, com muitas folhas e ramos que se destacavam, nalgumas zonas, por entre a terra vermelha. Os castanheiros estavam quase despidos de folhas, o que deixava transparecer o recorte dos ramos. A vegetação era, sobretudo, rasteira, crescia junto aos eucaliptos e pinheiros cujos troncos estavam a ser, devidamente, vestidos pelo musgo. Encontravam-se vestígios das típicas flores destes percursos, os chamados novelos, mas tendo em conta a estação, as flores eram poucas ou quase nenhumas. Enquanto isso o cheiro do eucalipto ajudava a desentupir o nariz, por entre a friagem que se fazia sentir nas maçãs do rosto. Era altura de colocar o capuz do casaco porque os vestígios de uma gripe recente avisavam que o melhor era nos protegermos.

 

Mais adiante, o som do vento forte deu lugar ao som da água a correr pela ribeira abaixo. Pelo chão, alguns “tufos” de cabrinhas davam um ar de sua graça. Algumas árvores estavam repletas delas, as quais, a par dos fetos demonstravam que a época de Natal está próxima pois, como manda a tradição, estas plantas costumam ser usadas para decorar o presépio. O frio começava a enregelar as mãos. Era das poucas partes do corpo que se encontrava exposta ao ar, de maneira que até custava tirar alguns apontamentos ou até mexer no telemóvel. Mais adiante a levada começou a estreitar em cujo leito eram notórias algumas irregularidades que deixam antever como foi rasgado, em tempos, com instrumentos rudimentares e muito sacrifício. Passámos por uma casa da água. A partir daqui denotava-se que, recentemente, foi feita uma limpeza ao local tendo em conta a erva curta que havia na berma da mesma. A água parecia que estava parada, as muitas folhas impediam que corresse.

 

Galgámos umas pedras, que abrilhantavam uma pequena clareira, depois tivemos que atravessar uma estrada de terra. As árvores de grande porte dão a entender que estão ali há muitos mais anos que a própria estrada. Mais adiante, uma pedra semi-rectangular convida a nos sentarmos um pouco. Pela encosta abaixo encontram-se aglomerados de altos mas franzinos eucaliptos sob um chão coberto de folhas de castanheiros. Enquanto isso, debaixo das nossas sapatilhas sentimos rolar algumas bolotas que caíram dos castanheiros. Em tempos, e depois de secas eram usadas dentro dos vestiários para evitar que a traça roesse a roupa. A ameaça de chuva fez-nos apressar, um pouco mais o passo, de maneira que se sentia ainda mais o frio mas era um fresco agradável porque até o mau tempo tem a sua beleza, é preciso é estar pré-disposto a degustá-lo.

 

Mais adiante alguns postes de electricidade davam sinal de que estávamos perto do casario. Enquanto isso a vista alcançava, do outro lado da encosta, o posto de venda de porcos. Seguimos os postes de “luz” pela estrada de terra, larga e sem fim à vista. A levada, essa, continuava do outro lado, mais uma hora e certamente chegaríamos à Portela. Ficará para uma próxima. Descemos a estrada de terra onde um bom 4x4 é o melhor para dali sair ou então, fazer como nós, caminhar a pé até alcançar a estrada de alcatrão. Para trás, ficou o lameiro, o frio e as folhas húmidas mas nada melhor para sentir a natureza por dentro. Para isso, não há que ter receio em sujar-se, vai ver que vale a pena, sentir-se-á mais vivo…

 

Élia Freitas

tags:
publicado por João Carvalho Fernandes às 15:02
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

.links

.posts recentes

. CALHAU DA LAPA

. PISCINAS DA PONTA GORDA -...

. Carreiro mais antigo diss...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. QUINTA DO ARCO - ARCO DE ...

. PONTA DE SÃO LOURENÇO

. FORTE DE SÃO TIAGO

. HELLOGUIDEMadeira

. CABO GIRÃO AOS PÉS

. VISTA DO MIRADOURO DO CAB...

. MIRADOURO DO CABO GIRÃO

. TELEFÉRICO DO RANCHO

. VISTA TELEFÉRICO DO RANCH...

. Estátua do INFANTE D. HEN...

. IGREJA DE SANTA MARIA MAI...

. JANELA MANUELINA NA QUINT...

. VÉU DA NOIVA - SEIXAL

. PENHA DE ÁGUIA

.arquivos

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Junho 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Boa Noite e Bom Descanso

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds