Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007

Levada do Castelejo um “mercado” ao ar livre

Em cada troço percorrido nas levadas madeirenses não paramos de nos surpreender… Foi o que aconteceu, esta semana, durante uma caminhada que a “Olhar” realizou pela Levada do Castelejo, na freguesia do Porto da Cruz. O trilho previsto era pequeno mas não imaginávamos que, em tão poucos quilómetros encontraríamos tanta riqueza de vegetação, por entre alguns poios lavrados onde se contavam diversos legumes e frutos. Nas encostas, foi aliciante “descobrir” algumas espécies endémicas, por entre as muitas ervas medicinais que sobressaiam aqui e ali… Venha conhecer connosco este pedacinho de norte madeirense que, poderá não curar o corpo mas deverá, com certeza, dar saúde ao espírito e à mente

 

 

 

…Com a devida vénia ao Jornal da Madeira

 

A Levada do Castelejo, na Referta, freguesia do Porto da Cruz é um dos trilhos pedestres dignos de uma visita. A “Olhar” aceitou o desafio e, esta semana, andou a pé, pelo norte da ilha.Para chegar ao início deste trilho, seguimos pelo caminho que vai dar à Portela mas, em vez de virarmos à esquerda para o acesso que nos leva até ao local em questão, vamos sempre na estrada regional e viramos à direita onde diz “Achada”. Não há que enganar, na esquina existe um café.Uns metros adiante, à esquerda existe uma escadaria em cimento. O ambiente envolvente é mesmo convidativo a uma caminhada a pé. A partir dali, a vista alcança a rocha da Penha d' Águia, o mar e as encostas verdejantes onde sobressaiem alguns pinheiros.

 

A estrada em frente estava engalanada com as bandeiras típicas das festas e cordões de luzes. O nosso destino era, mesmo, a caminhada. Por isso, descemos a escadaria, deviam ser mais de 40 degraus…Esta primeira parte da levada é, toda ela, em cimento. O percurso é estreito, com algumas curvas mas, praticamente, sem desníveis. A água que existia na levada era bem pouca, encontrava-se estagnada e repleta de folhas. Existem alguns postes de electricidade que levam a energia eléctrica ao casario que se encontra disperso na encosta, abaixo da estrada. As ameias brancas davam uma certa piada à encosta verde, mais parecia uma roda dentada deitada sobre o muro.Nalguns poios avistavam-se alguns palheiros, usados em tempos, para guardar gado e, nalguns, casos, os produtos agrícolas. Um pouco mais à frente, uma outra escadaria dava acesso a uma casa particular, abrilhantada por novelos rosa e azuis. Estava bem arranjadinho. Pelo caminho encontramos um pouco de tudo, desde verduras e árvores de fruto. Outras, ainda, que embora não dêem frutos, embelezam o percurso. Algumas das plantas são endémicas como é o caso da urze e do loureiro, a par de outras, caso das cabrinhas e bambu.Mas a grande variedade de produtos, cujas folhas dão origem às diferentes tonalidades de verde dispersas na paisagem, só nos faz crer que o terreno é muito fértil, em que muita ajuda a abundância de água que viamos escorrer das paredes.

 

Dos produtos cultivados destaque para algumas couves, abóboras, inhame, semilhas, batata doce, pipinelas e agrião. Parecia um autêntico mercado ao ar livre, onde tudo está à mão para confeccionar uma saborosa sopa, mas não há que esquecer que tem dono… por isso, é melhor, apenas apreciar. Prova disso era um dos camponeses que caminhava na direcção contrária à nossa, de bordão na mão. Pela vestimenta parecia ir ver como anda a produção…Numa das curvas, era de pasmar um pequeno pedaço de terreno, cultivado com rama de semilha, todo ele debruçado sobre o a abismo, em jeito de caracol. Noutros pontos, havia erva, mais ou menos tenra para o gado e junco que, em tempos, era usado para cobrir as casas.

 

Árvores de fruto e plantas medicinais

 

Para além dos cactos e figueiras, aqui e ali apareciam algumas árvores de fruto. Alguns já estavam mais ou menos maduros, outros, nem por isso, como era o caso das anonas, castanhas, pêra abacate, bananas, maracujás de banana, nêsperas e girassóis. Algumas plantas invasoras, também, marcavam presença durante o caminho, como seja a acácia, o silvado e a bananiche. O silvado, embora pique e não seja muito agradável, sempre, dá algo de bom, as amoras. Não resistimos e provamos, como autênticos adolescentes que, há uns anos atrás, andavam pelos campos, de frasco na mão, a colher este fruto para logo saborerar, depois de polvilhados com uma colher de açúcar.

 

Era uma recolha feita em jeito de brincadeira que, muitas vezes, acabava por deixar cada nódoa na roupa… neste caso, deixou-nos os dedos mais ou menos roxos… mas valeu a pena, apesar de algumas picadelas dos espinhos. As fileiras de canavieiras davam outra tonalidade de verde ao quadro natural enquanto no fundo do vale corria um razoável caudal de água.Nas paredes da rocha, haviam “mini-repuxos” e nas bermas do caminho crescia de tudo um pouco desde feiteiras às ervas medicinais para curar "males" como dores de cabeça, algumas, ainda, para curar certas doenças dos próprios animais. O segredo está em distingui-las, cujo saber é, por vezes, transmitido oralmente das gerações mais velhas para as mais novas. As flores, também, fazem parte deste quadro. Espadanas, açucenas e palmas de São Lourenço. Nalguns troços, onde o abismo era mais evidente, haviam vedações. Este percurso “obriga-nos” a atravessar três pequenas pontes de cimento, sem as quais, seria quase impossivel fazer toda esta caminhada, a não ser, galgando o fundo do vale. Numa delas, é de lamentar um amontoado de folhas de zinco a decomporem-se. Ao alcançarmos o outro lado do vale com a grande ajuda das pontes, avistamos o trilho galgado. Ao fundo, vários poios, que mais pareciam uma manta de retalhos. Aproximamo-nos de uma das casas. A levada passa, mesmo, nas costas da mesma. Um dos residentes “acartava” um molho de erva para dentro do palheiro. Aqui a levada estreita, há mais canavieiras e pinheiros na encosta.

 

Continuamos a andar, atravessamos um pequeno “furado” (túnel) e chegamos junto à estrada. Mas aqui só se pode ir numa direcção, é que a estrada não tem saída… Mas, quem quiser, pode prosseguir pela levada.Optamos por sair. Regressamos com um cheirinho a produtos frescos, com o espírito bem refrescado pela natureza…

 

Élia Freitas

tags:
publicado por João Carvalho Fernandes às 12:15
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Nadjane a 7 de Setembro de 2008 às 18:25
Belíssima imagem que simplismente nos transporta a este paraíso.Os detalhes do texto nos leva a está caminhando junto ao seu lado e desfrutando de cada momento vivenciado por você.É sem dúvida um maravilhoso lugar,cheio de belezas e encantos.A natureza foi totalmente generosa com vocês moradores da ilha da madeira.Madeira é verdadeiramente a pérola do atlântico.
De Lino Freitas a 22 de Outubro de 2007 às 22:43
Caminhei nesta leitura e senti que fiz este percurso,adorei, senti o cheiro da natureza,sou mais um caminhante das nossas levadas....

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

.links

.posts recentes

. CALHAU DA LAPA

. PISCINAS DA PONTA GORDA -...

. Carreiro mais antigo diss...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. QUINTA DO ARCO - ARCO DE ...

. PONTA DE SÃO LOURENÇO

. FORTE DE SÃO TIAGO

. HELLOGUIDEMadeira

. CABO GIRÃO AOS PÉS

. VISTA DO MIRADOURO DO CAB...

. MIRADOURO DO CABO GIRÃO

. TELEFÉRICO DO RANCHO

. VISTA TELEFÉRICO DO RANCH...

. Estátua do INFANTE D. HEN...

. IGREJA DE SANTA MARIA MAI...

. JANELA MANUELINA NA QUINT...

. VÉU DA NOIVA - SEIXAL

. PENHA DE ÁGUIA

.arquivos

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Junho 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Boa Noite e Bom Descanso

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds