Segunda-feira, 2 de Outubro de 2006

As visitas de John dos Passos à Madeira

Com a devida vénia ao Diário de Notícias da Madeira

 

 

Na quinta-feira, assinalou-se o 36.º aniversário da morte do eminente escritor americano John dos Passos (1896-1970). evocamos aqui as suas visitas à ilha da Madeira. Manuel Joaquim dos Passos, avô paterno do eminente escritor, era natural da Ponta do Sol, aonde nasceu em 1816. Segundo os registos de passaportes guardados no Arquivo Regional da Madeira, a 8 de Outubro de 1830, contando então 14 anos de idade, tirou o passaporte com destino a Gibraltar, seguindo no bergantim americano "Alcyon" em trânsito para aos Estados Unidos. Tendo aportado em Baltimore, acabou por radicar-se em Filadélfia. Ali contraiu matrimónio com uma senhora americana e dessa união nasceram vários filhos, um dos quais viria a ser um prestigiado advogado, John Randolph dos Passos (1844-1917).

 

Este causídico também escreveu vários livros, entre os quais destacamos os seguintes: "The inter-State Commerce act; an analysis of its provisions" e "The Anglo-Saxon Century and the unification of the English-speaking people". Este prestigiado jurisconsulto efectuou uma viagem à Madeira em 1905. Na sua edição de 10 de Maio desse ano, o Diário Popular, então publicado no Funchal, publicou o seguinte texto acerca dele: «Tem o sr. Dr. Passos um particular afecto pelo nosso país, pois na visita que em Lisboa fez ao nosso monarca, a quem foi apresentado pelo ministro americano, disse ao sr. D. Carlos que se honrava em ser um 'português-americano'. [...]

 

Na Madeira também foi sua exa. Visitar o venerando prelado funchalense e a Câmara Municipal, manifestando o mais vivo interesse por tudo quanto diz respeito aos negócios da nossa terra. Como é natural, são gratíssimas as impressões que o sr. Dr. Passos leva do nosso país, especialmente da Madeira, onde nacionais e estrangeiros lhe fizeram o mais lisonjeiro acolhimento. O sr. Dr. John R. Dos Passos conta partir hoje no 'Heidelberg' para Lisboa, de onde regressará à América, prometendo contudo voltar à Madeira oportunamente. Felicitando o grande português-americano e a sua distinta família, desejamos-lhe cordialmente uma óptima viagem, fazendo votos para que de novo volte a esta terra, que o estremece como se fosse a sua verdadeira pátria.» Apesar do seu ensejo e dos votos manifestados pela imprensa, nunca mais regressaria à ilha que um dia vira nascer o seu progenitor. Apesar de não ser referido na imprensa coeva, John Roderigo dos Passos (1896-1970) acompanhou o seu pai nesta visita, como o próprio refere no prefácio do livro "The Portugal Story": «Embora eu fosse educado sem qualquer conhecimento da língua portuguesa, a minha família não perdera por completo o contacto com os parentes do meu avô, na Madeira. O meu pai, embora falasse apenas um pouco de francês, além do inglês, nunca se esqueceu de que era meio português. Tinha oito anos quando ele me levou ao Funchal. Lembro-me das visitas de um primo idoso que me dava, no jardim do velho Reid's Hotel, uma lição diária de latim».

 

A segunda visita de John dos Passos à Madeira ocorreu em 1921.Curiosamente, partiu de New Bedford - cidade do Estado de Massachusetts onde se radicaram inúmeros emigrantes madeirenses - a bordo do 'Mormugão', um navio da companhia Transportes Marítimos do Estado (que fez várias viagens entre Lisboa, Madeira, Açores e a cidade baleeira).

 

Estando em trânsito a caminho de Lisboa, aproveitou a breve escala na ilha para fazer de cicerone pelas ruas do Funchal a E. E. Cummings, seu companheiro de viagem, como refere na sua obra autobiográfica "Best Times". Quase 50 anos depois, num artigo patente na secção 'Voz Literária' do jornal Voz da Madeira de 10 de Janeiro de 1950 encontrámos uma notícia sobre John dos Passos relativa a uma entrevista que o prolífico autor dera a um jornal brasileiro onde terá afirmado: «Desejo voltar à Madeira, para mostrar a ilha à minha filha» e ainda «Visitarei a Ponta do Sol, onde o meu avô exerceu a profissão de sapateiro». A simplicidade de John dos Passos e a referência às humildes origens do seu avô mereceu o seguinte comentário do jornalista: «Exemplo curioso e significativo para tantos que, às vezes, querem esconder a modéstia dos seus antepassados»!

 

Com efeito, a terceira visita de John dos Passos à Madeira ocorreu em 1960, dez anos antes da sua morte. Por essa altura, o autor da famosa trilogia "U. S. A." era já um escritor consagrado no panorama literário norte-americano e mundial, tendo muitas das suas obras traduzidas em várias línguas. Seguidamente exporemos, em breves traços, a cobertura mediática que o Diário de Notícias deu a esta visita. O anúncio da sua chegada para breve foi veiculado na edição de 7 de Julho deste órgão informativo regional nestes termos: «Com uma obra romanesca que lhe deu celebridade mundial, John dos Passos, em cujas veias corre sangue português, é hoje com Hemingway, Faulkner, Caldwell e alguns mais, um dos vultos notáveis das letras norte-americanas. Vê-lo-emos brevemente na Madeira, onde passará uma temporada em gozo de férias. A sua chegada está anunciada para meados do corrente mês.» Alguns dias depois, na edição de 12 de Julho do mesmo matutino era referido que o escritor já se encontrava em Lisboa a aguardar transporte para a Madeira.

 

O correspondente deste jornal na capital subscreveu ainda estes pensamentos: «O que há de mais interessante para nós, madeirenses, é o saber-se que ele é filho do maior advogado da Casa Morgan, que há três quartos de século financiava os estudos europeus nas horas de crise, esse filho do madeirense Passos, da Ponta do Sol, que muito novo seguiu para a América a tentar fortuna. O grande escritor norte-americano vai à Madeira em romagem de saudade». A 18 de Julho o Diário de Notícias publicou uma entrevista feita pelo seu redactor ao prolífico escritor, que começara por desculpar-se por não poder falar português. Instado a pronunciar-se sobre se teria parentes na Madeira, John dos Passos respondeu afirmativamente: «Sim. Tenho muitos primos. A nossa família é muito grande. O meu avô emigrou para os Estados Unidos, um irmão dele foi para o Brasil e outros ficaram cá. Assim, tenho agora parentes aqui, em Lisboa, nos Estados Unidos e no Brasil.»

 

O escritor acrescentou ainda que «Nestes próximos dias irei à Ponta do Sol, terra dos meus antepassados, ver toda a família que ali vive.» A conversa recaiu depois sobre literatura. Falando dos seus projectos para o futuro, este ilustre luso-descendente referiu que tinha em mente a redacção de «um livro de ensaios sobre a Cultura portuguesa e os seus reflexos no Brasil e pelo mundo.» Questionado acerca da duração desta sua visita à Madeira, John dos Passos retorquiu: «Apenas uma semana. Depois, o regresso à minha casa, numa localidade perto de Washington, e o regresso ao trabalho: o livro sobre Cultura portuguesa e outros»A 19 de Julho este mesmo jornal publicou uma pequena nota anunciando que Joaquim Sequeira Cabrita, edil pontasolense, e o Dr. João Sebastião Ferreira, primo do escritor, acompanhados pelas respectivas esposas, tinham ido ao Reid's Hotel convidar John dos Passos para uma festa de homenagem em sua honra que teria lugar nos Paços do Concelho da Ponta do Sol. No dia seguinte o escritor visitou aquele concelho, acompanhado da sua esposa, Mrs. Elizabeth Hamlin Holdrige, e sua filha Lucy. Os ilustres visitantes começaram por almoçar na casa dos seus antepassados «num ambiente fraternal» onde «foram evocadas passagens longínquas dos antepassados do sr. John dos Passos.»

 

Após o repasto, estes ilustres visitantes assistiram à sessão solene em sua honra levada a efeito na Câmara Municipal onde, segundo referiu a imprensa coeva, marcaram também presença os «elementos mais representativos» da Ponta do Sol. Um dos momentos altos desta cerimónia foi a leitura, pelo edil pontasolense, de um longo discurso, do qual apresentamos apenas alguns breves excertos: «Encontra-se reunida nesta sala de tantas tradições a grande família Pontasolense com o fim de homenagear o eminente escritor americano John dos Passos, que nos deu o grande prazer de visitar a terra que serviu de berço ao seus antepassados. […] O sr. John dos Passos é um dos mais fecundos escritores do seu País e de renome mundial. É bacharel formado em arte em 1916 pela universidade de Harvard. Tem percorrido quase todo o mundo e os seus livros traduzem quase todas as realidades da vida, especialmente da americana. […] E para que este dia fique assinalado na história Pontasolense deliberou mais a Câmara colocar na casa onde nasceram os ascendentes do sr. John dos Passos, e que hoje pertence aos herdeiros do Dr. Fortunato Pita, esta inscrição: «Nesta casa nasceram os ascendentes do eminente escritor americano que visitou este concelho no dia 20 de Julho de 1960 - Homenagem da Câmara Municipal.»

 

No final desta sessão solene John dos Passos dirigiu algumas palavras de agradecimento a todos os presentes e leu um discurso de agradecimento, do qual retirámos alguns trechos: «Desculpem eu não falar a língua dos meus avós. Como sabem o meu avô deixou a Ponta do Sol há muito mais de cem anos. É deveras enternecedor para mim ser recebido com tão grande gentileza e consideração. […] Mais tarde meu pai tornou-se cada vez mais interessado a respeito da Madeira e das suas raízes portuguesas. Quando eu tinha oito anos trouxe-me, por algumas semanas ao Funchal. Assim quando aqui cheguei há dias reconheci os rochedos cor de púrpura, o mar azul, os mergulhadores e as pequenas lagartixas que correm através dos jardins do Reid's Hotel. Recordo a amável hospitalidade de amigos e parentes da Madeira.»

 

No fim desta cerimónia foi oferecido a John dos Passos dois exemplares do livro "Ilhas de Zarco", da autoria do Pe. Eduardo Nunes Pereira. Após a cerimónia solene, o escritor visitou a "Villa Passos", a casa dos seus antepassados sita à Rua Príncipe D. Luís I, que também visitara quando tinha vindo à Madeira acompanhado pelo seu pai no início do século passado. Depois desta visita, seguiu-se um «primoroso chá, que decorreu num ambiente distinto» no Club Recreativo Pontasolense.Segundo referem as edições do Diário de Notícias de 23 e 24 de Julho, durante a permanência de John dos Passos na Madeira, este ilustre escritor visitou a Junta Geral - à altura presidida pelo Dr. João de Lemos Gomes - tendo-lhe sido oferecidos vários livros sobre a Madeira editados por este organismo. Num gesto de boa vontade para com o insigne visitante esta entidade governativa proporcionou-lhe dois passeios de automóvel pelo norte da ilha. O ilustre escritor norte-americano foi ainda recebido pelo Chefe do Distrito, João Inocêncio Camacho de Freitas, que o obsequiou com um "Madeira de honra". John dos Passos visitou ainda o Arquivo Distrital, onde obteve uma certidão de nascimento do seu avô paterno, natural da Ponta do Sol. Este visitante teve ainda a oportunidade de trocar umas breves impressões com o Pe. João Vieira Caetano, pároco daquele concelho, que lhe ofereceu um dos seus livros. Antes da sua partida, o prolífico escritor, recebeu de Joaquim Sequeira Cabrita, presidente da Câmara Municipal da Ponta do Sol, um álbum fotográfico contendo uma colecção de fotografias da cerimónia de homenagem com que fora distinguido na Câmara Municipal da Ponta do Sol. Seguidamente, John dos Passos, acompanhado pela sua esposa, filha e ainda pelo edil pontasolense, dirigiu-se à redacção do Diário de Notícias a fim de «agradecer as referências que lhe fizemos a propósito da sua estadia entre nós e, ao mesmo tempo, manifestar-nos a profunda impressão de agrado que levava da nossa terra - das suas belezas naturais, do acolhimento caloroso que aqui recebera.»

 

Por sua vez, este matutino referiu o seguinte: «Sensibilizou-nos o gesto de John dos Passos, a quem desejamos excelente viagem no seu regresso aos E.U.A». O escritor e sua família deixaram a Madeira a 23 de Julho de 1960, a bordo do 'Ascania'. Terminou assim a «romagem de saudade» de John dos Passos - como foi apelidada pela imprensa da época - em busca das suas raízes insulares.

 

Duarte Mendonça (texto) / D.R. (fotografia)

tags:
publicado por João Carvalho Fernandes às 09:01
link do post | comentar | favorito
13 comentários:
De José Ferreira dos Passos Néto a 16 de Maio de 2011 às 15:07
Sou neto Josè Ferreira dos Passos mas o que morrou em Campina das missões me mandem recados.
De Fábio a 10 de Janeiro de 2011 às 03:01
Olá a todos.
Meu nome é Fábio dos Passos Ferreira. Sou brasileiro e tenho 28 anos. A única coisa que sei é que meus antepassados portugueses chegaram ao brasil no século 19 no nordeste deste país. Creio eu que pelo porto de Salvador-Bahia, por onde veio D. João VI em 1808. Minha família se concentrou no norte do estado da Bahia. o que eu não sei é se já eram também Ferreira ou não. Sempre quis saber essa história mas não cheguei a conhecer avós que soubessem disso. Será que a origem da minha família é a mesma da Madeira?
De ferreira a 30 de Outubro de 2010 às 21:07
mais então buenas moçada to vendo que ferreira virou inço neste mundo velho um baita abraço de de mais um desgarado desta tropa.
De José Manuel Ferreira Rosa Fernandes a 8 de Abril de 2010 às 14:34
O que sei:

António dos Passos, casado com Vicência Maria dos Passos, pais de Francisca Romana dos Passos Sousa, esta casada com Francisco Gomes de Sousa, pais de António Policarpo dos Passos Sousa, este casado com Loyde Adelaide de Faria e Castro Ferreira dos Passos Sousa, pais de Augusta Etelvina dos Passos Sousa Ferreira, casada com Manuel Agostinho Ferreira, pais do meu avô materno João Sebastião Ferreira, casado com Gabriela de Sousa Drummond Borges Ferreira.
Todos da Ponta do Sol
De José Manuel Ferreira Rosa Fernandes a 5 de Abril de 2010 às 18:36
Eu sou Ferreira por parte de minha mãe filha mais velha de João Sebastião Ferreira, e que no texto afirmam ser : "...e o Dr. João Sebastião Ferreira, primo do escritor,...". Só gostava de saber melhor essa relação de parentesco.
Obrigado
De Ana a 23 de Janeiro de 2010 às 17:12
Eu sou Passos e a minha família é toda da Ponta do Sol, por isso existe família com o sobrenome "Passos" na Ponta do Sol.
De marcos fernando gomes dos passos a 1 de Dezembro de 2009 às 04:04
Adorei ler esse artigo sobre familia passos sou de alvorada Rs fiquei feliz em saber desses detales sobre meu sobrenome acho que somos tdos da mesma familia
De Roque Ferreira dos Passos a 9 de Outubro de 2009 às 02:08
Acho interessante que exatamente meu avô era José Ferreira dos Passos que veio ainda novo ao Brasil, mas seu Pai ( Vicente Fereira dos Passos, veio junto. Eu sou neto de José Ferreira dos Passos que era casado com Margarida Burger.Ficaria feliz em me comunicar com parentescos. José Aloísio Ferreira dos Passos é meu tio.
De Marlene a 11 de Março de 2008 às 12:43
Em resposta a joao felix dos passos, posso dizer-te que somos netos e bisnetos do mesmo homem!!! O teu avo Jose Ferreira dos Passos e meu tio :) Pergunta a teu papa se ele nao tem uma tia que se chama Celina?? Eu sou a filha da Celina, a Marlene!
Fiquei contente por encontrar o teu comentario aki :)
De Jorge a 3 de Outubro de 2007 às 00:54
Olá,
Gostei muito do artigo referente à família Ferreira dos Passos. Meu tataravó imigrante de Portugal se chamava José Ferreira dos Passos, meu bisavô se chamava José Ferreira dos Passos e meu avô se chamava José Aloíso Ferreira dos Passos, segundo meu pai por tradição o primeiro filho homem recebia o nome do pai. Gostaria de saber se há alguém que tenha conhecimento na família de algum José Ferreira dos Passos que tenha emigrado ao Brasil em torno de 1830 (estou buscando documentos para verificar a data exata).
Grande abraço
Jorge

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

.links

.posts recentes

. CALHAU DA LAPA

. PISCINAS DA PONTA GORDA -...

. Carreiro mais antigo diss...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. QUINTA DO ARCO - ARCO DE ...

. PONTA DE SÃO LOURENÇO

. FORTE DE SÃO TIAGO

. HELLOGUIDEMadeira

. CABO GIRÃO AOS PÉS

. VISTA DO MIRADOURO DO CAB...

. MIRADOURO DO CABO GIRÃO

. TELEFÉRICO DO RANCHO

. VISTA TELEFÉRICO DO RANCH...

. Estátua do INFANTE D. HEN...

. IGREJA DE SANTA MARIA MAI...

. JANELA MANUELINA NA QUINT...

. VÉU DA NOIVA - SEIXAL

. PENHA DE ÁGUIA

.arquivos

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Junho 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Boa Noite e Bom Descanso

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds