Quarta-feira, 21 de Junho de 2006

Museu Etnográfico da Madeira celebra 10.º aniversário

Com a devida vénia ao Jornal da Madeira

Quotidiano dos tempos idos “vive” na Ribeira Brava

No Museu Etnográfico, na Ribeira Brava, os mais novos podem aprender como eram os tempos árduos dos nossos avós e bisavós, nos trabalhos agrícolas, por exemplo. Podem visitar o passado, olhando com respeito e admiração para as diversas peças e utensílios rudimentares que vivem nas salas de um edifício que, em tempos idos, foi uma casa solarenga (no século XVIII) e depois foi convertido numa unidade industrial, com um engenho de cana-de-açúcar (século XIX). Ali, os mais velhos podem recordar o que muitos viveram há alguns anos atrás e reconhecer, nos utensílios, “a culpa” pelas linhas ásperas gravadas nas suas mãos por, eles próprios, terem desempenhado alguns dos ofícios ali representados.

16_41745.jpg

 

A 15 de Junho de 1996 nascia o Museu Etnográfico da Madeira, um espaço que reúne e preserva as tradições do povo madeirense que se foram perdendo nos meandros do tempo, no caminhar do desenvolvimento ou entre uma e outra geração. Ali, na Ribeira Brava, os mais novos podem aprender como eram os tempos árduos dos nossos avós e bisavós, nos trabalhos agrícolas, por exemplo. Podem visitar o passado, olhando com respeito e admiração para as diversas peças e utensílios rudimentares que vivem nas salas de um edifício que, em tempos idos, foi uma casa solarenga (no século XVIII) e depois foi convertido numa unidade industrial, com um engenho de cana-de-açúcar (século XIX). Ou seja, a própria estrutura “fala” por si, sendo um testemunho da arquitectura e do património industrial madeirense. Como dizíamos, os novos podem aprender muito.

Mas os mais velhos podem recordar o que muitos viveram há alguns anos atrás e reconhecer, nos utensílios, “a culpa” pelas linhas ásperas gravadas nas suas mãos por, eles próprios, terem desempenhado alguns dos ofícios ali representados. Os tempos idos já lá vão, mas as memórias continuam bem guardadas no museu, para que não nos esquecemos quem fomos. Como nos refere Lídia Goes Ferreira, directora do museu, dentro do público em geral, os idosos gostam especialmente de visitar o espaço, “porque conta a sua história, a história de todos nós mas que, no caso deles, é também uma forma de relembrarem o quotidiano dos tempos antigos”. Os mais novos, por sua vez, têm a oportunidade de conhecer como foi o passado dos pais e dos avós. Há evidentemente, esse interesse acrescentado atendendo ao tipo de colecções que temos no Museu”.

5.329 visitantes de Janeiro a Maio

Este ano, de Janeiro a Maio, o Museu registou a entrada de 5.329 visitantes. Desse número, 4.267 foram visitas orientadas pelos serviços educativos. O facto da maioria das pessoas que visitaram o museu ter sido acompanhada pelos serviços educativos “é excelente”, acrescenta a responsável. Isso porque “vem servir um dos nossos objectivos principais, que é o de trabalhar com e para a comunidade, o que inclui jovens, idosos e vários tipos de público”. Em relação aos restantes visitantes do total de 5.329, referem-se a entradas individuais de turistas e madeirenses, apontou ainda.

Do ponto de vista de Lídia Goes Ferreira, os jovens estão mais receptivos às unidades museológicas. “No nosso caso concreto, sentimos que há mais jovens a nos visitar e, inclusivamente, trabalham activamente com o museu nas actividades que desenvolvemos. Notamos que eles gostam muito não só do nosso acervo e das exposições, mas também das nossas actividades. Penso que este tipo de público é cativado através de iniciativas específicas para o chamar mais ao museu. É isso que os Serviços Educativos têm feito ao longo do tempo e tem resultado sem dúvida alguma”. Este serviço do museu acaba por ser “um mediador entre o público e o significado daquilo que é exposto”, tentando proporcionar aos visitantes, especialmente os mais novos, “uma leitura adequada e frutífera da informação que se pretende transmitir”.

Da parte dos utentes em geral, os comentários ao exposto têm sido positivos. “Temos fichas de avaliação e um livro de honra onde as pessoas deixam a sua impressão sobre o museu. Até agora, temos tido as melhores observações em relação ao Museu”, revela. Mostrar aos visitantes um ofício ao vivo é um atractivo deste espaço museológico. Maria da Conceição Pereira trabalha no Museu Etnográfico desde o dia da abertura. É tecelã. Faz tapetes, cobertas, colchas finas com lã e cortinados com linho. Quem visita a unidade museológica não fica indiferente ao funcionamento do tear. As pessoas costumam parar à volta do instrumento rudimentar e observar Maria da Conceição Pereira enquanto esta tece.

Trabalhar no museu é gratificante

A trabalhar no Museu Etnográfico desde a sua abertura, Lídia Goes Ferreira diz que o projecto tem sido aliciante e gratificante. “Sou antropóloga e nem toda a gente tem a felicidade de trabalhar na sua área, porque há um mercado de emprego muito restrito. Isso acontece em parte porque não se conhece as potencialidades deste ramo das Ciências Sociais e, portanto, para mim é um privilégio trabalhar naquilo que eu me formei e naquilo que eu gosto”, salienta. Em relação à sua experiência à frente do museu, diz que é “muito gratificante poder dirigir esta instituição atendendo a que é a única unidade museológica oficial que existe na Região, com esta vocação”. O balanço que faz a esta primeira década é bastante positivo, sublinha.

“A comunidade tem correspondido cada vez mais, ao contrário do que acontece em certas instituições em que há um grande impacto no primeiro, segundo ou terceiro ano e, depois, uma vez que as pessoas já conhecem a exposição permanente, as visitas diminuem. Até agora, isso não tem acontecido com o Museu Etnográfico. Felizmente, o público — e principalmente os madeirenses — continua a visitar o Museu e a participar nas nossas actividades”, enalteceu ainda. Esta unidade museológica recebe apoios financeiros, logísticos e técnicos, e um grande incentivo por parte da Secretaria Regional do Turismo e Cultura e da Direcção Regional dos Assuntos Culturais, que tutelam a instituição.

Para além disso, “pode até haver poucos recursos humanos ou financeiros, mas desde que haja boa-vontade e essencialmente que se goste daquilo que se faz, consegue-se desenvolver sempre actividades. Por exemplo, as comemorações deste aniversário devem-se a uma grande boa-vontade por parte dos grupos e elementos que vão colaborar nas iniciativas e ao apoio da Câmara Municipal da Ribeira Brava”, destaca. De referir que o programa comemorativo do 10.º aniversário aposta na música tradicional, no que se refere à apresentação e fabricação dos instrumentos musicais tradicionais e com dez espectáculos musicais, sob o título de “Dez Anos, Dez Espectáculos”, como foi divulgado na edição do JM, da passada quinta-feira.

Moradia, indústria e museu

Uma casa é muito mais que uma simples construção. Abriga pessoas, famílias, peças criadas pelo homem. A própria estrutura física guarda na sua construção a história. É isso que acontece com o Museu Etnográfico da Madeira, um edifício que se começou a contar no início do séc. XVII, altura em que era da pertença do Convento de Santa Clara do Funchal. Era uma casa térrea na antiga Rua da Bagaceira. Foi adquirida por Luís Gonçalves da Silva, capitão das ordenanças da Ribeira Brava, que casou em 1682 com D. Antónia Meneses. A casa foi ampliada, tendo crescido um piso e, na ilharga sul do prédio, o proprietário mandou edificar em1710, uma capela dedicada ao patriarca São José, onde viria a ser sepultado. “

Ainda podemos observar, embora modificado, implantado no edifício onde se instala o Museu Etnográfico, o portal da referida ermida”, escreve Jorge Valdemar Guerra, no historial do museu. “Luís Gonçalves da Silva e a sua mulher, por disposição testamentária, efectuada em 1716, instituíram um vínculo perpétuo imposto na casa onde residiam, em diversas fazendas e na própria capela de São José, o qual seria somente abolido em 1860. Em 1853, José Maria Barreto, último administrador do vínculo de São José, converteu o arruinado solar numa unidade industrial, tendo para o efeito constituído uma sociedade com Jorge Oliveira. Foi então ali montado um engenho de moer cana-de-açúcar, de tracção animal e um alambique de destilação de aguardente.

Em 1862, a sociedade fabril, com um novo sócio, o Pe. António de Macedo Correia e Freitas, passou a utilizar energia hidráulica, instalando-se nesse ano, uma roda motriz de madeira, servida por uma levada e um engenho de moer cana com três cilindros de ferro horizontais. Em 1868, funcionavam naquela fábrica dois moinhos de cereais”. Jorge Valdemar Guerra escreve ainda que ao longo dos anos, foram ocorrendo sucessivas transacções das quotas da empresa e, finalmente, em 1974, os herdeiros de João Romão Teixeira, proprietários do edifício, venderam-no à Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal”. Anos mais tarde, o Governo Regional decidiu instalar no antigo engenho o Museu Etnográfico da Madeira, projectado pelo arquitecto João Francisco Caires, que teve a sensibilidade de preservar testemunhos da história do edifício, como é o caso da máquina de moer cana.

Paula Abreu

tags:
publicado por João Carvalho Fernandes às 11:53
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De gilmara a 5 de Junho de 2008 às 14:20
eu gostaria de ver figuras como era o engenho da cana-de açucar
De shauni & liliana a 11 de Março de 2008 às 14:20
esta praia e muito fixe adora-mos ate tem muitos gakos bons adoro a madeira e pena eu estar imigradea para jersey mas adoro a minha terra e sempre que posso vou ai ??? xxxbeijinhos par todos
De JH a 21 de Fevereiro de 2007 às 17:14
Nós vamos estagiar ai..........
De João Carvalho Fernandes a 23 de Junho de 2006 às 00:22
Estou a ver, estou...

Não tem ido lá?

Beijinhos
De Papoila_Rubra a 21 de Junho de 2006 às 14:44
Leitora assídua deste lado, não falta...

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

.links

.posts recentes

. CALHAU DA LAPA

. PISCINAS DA PONTA GORDA -...

. Carreiro mais antigo diss...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. ROSEIRAL DA QUINTA DO ARC...

. QUINTA DO ARCO - ARCO DE ...

. PONTA DE SÃO LOURENÇO

. FORTE DE SÃO TIAGO

. HELLOGUIDEMadeira

. CABO GIRÃO AOS PÉS

. VISTA DO MIRADOURO DO CAB...

. MIRADOURO DO CABO GIRÃO

. TELEFÉRICO DO RANCHO

. VISTA TELEFÉRICO DO RANCH...

. Estátua do INFANTE D. HEN...

. IGREJA DE SANTA MARIA MAI...

. JANELA MANUELINA NA QUINT...

. VÉU DA NOIVA - SEIXAL

. PENHA DE ÁGUIA

.arquivos

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Junho 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Boa Noite e Bom Descanso

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds